24 junho 2008

para mim

Diz lá em cima que este blog passou de uma brincadeira a confessionário, de textos que passaram o foro privado para um quase público; diz que fala do que gosto e do que não gosto, do que me irrita e do que me dá prazer. Na medida do possível, é de mim, para todos. Para mim.

Este blog acompanha-me há já um tempo significativo. Tão significativo, que assistiu a um conjunto de mudanças mais do que significativas na minha vida; mais do que mudanças, viveu comigo uma quantidade grande e variada de estados de espírito.
Lendo retrospectivamente (por ter tempo para isso...) algumas passagens que fui escrevendo, julgo poder detectar uma correlação entre a assiduidade e inspiração da escrita e alguns desses tais estados de alma: a solidão, a desilusão e a esporádica esperança no futuro estiveram claramente na génese da escrita que agora considero de maior relevo; e, de entre elas, era certamente a solidão que me permitia disponibilidade para dedicar tempo ao teclado.
A memória desses momentos, agradáveis ou não, é sempre reavivada por estas leituras e acompanhada por alguma melancolia; mas mais gratificante que isso é entender que só não escrevo porque estou a viver: a viver o futuro.
Para mim, mas não sozinho.

3 comentários:

Thunderlady disse...

:)

Boas vivências. Não te esqueças de aproveitar o presente.

Tuxa disse...

Faco minhas as tuas palavras...

SAM disse...

a etiqueta é estranha: espelho meu?
não me digas que tb es metrosexual??? não faças isso pá....ao menos androsexual que deixam os pêlos como estão!
abraçe!