17 junho 2018

the good the bad and the ugly

Those who gave a fuck even before they did
and those who won't give a fuck even after they do


11 abril 2018

Sooner or later your actions will catch up with you
When they do, all you will have left will be a bed of consequences where you will always sleep in, no matter how often you change the bedsheets

05 novembro 2017

Those who don't know what they want may eventually loose what they have

23 agosto 2017

erros apenas

Erros meus, má fortuna, amor ardente
Em minha perdição se conjuraram;
Os erros e a fortuna sobejaram,
Que pera mim bastava amor somente.

Tudo passei; mas tenho tão presente
A grande dor das cousas que passaram,
Que as magoadas iras me ensinaram
A não querer já nunca ser contente.

Errei todo o discurso de meus anos;
Dei causa que a Fortuna castigasse
As minhas mal fundadas esperanças.

De amor não vi senão breves enganos.
Oh! quem tanto pudesse, que fartasse
Este meu duro Génio de vinganças!



18 agosto 2017

A omissão de pensamentos ou de sentimentos pode ser consequência de vergonha, mas não é mais que reserva.
A omissão de acções é desonestidade. Mesmo que seja consequência da vergonha 

27 julho 2017

unwilling to turn the page

23 julho 2017

What you do speaks so loud
that I cannot hear what you say 


11 junho 2014

Pois...
Parece que sim.

09 junho 2014

Nos últimos 4 anos rejuvenesci 10 e envelheci 14. Contas feitas, tudo normal, nada de surpresas, a matemática bate certo e nada a reclamar, não fora o processo de envelhecimento ter acontecido apenas nuns 4 dias.

21 março 2013

primitivo

Não sei escolher as mulheres da minha vida.
Deste a primeira.
Deve haver quem consiga analisar o factor que está na génese desta minha deficiente capacidade social, que tem vindo a provocar frustração, dor, lágrimas e outras manifestações que mantenho comigo: até hoje, eu não consegui. E deixou de me caber nos dedos a quantidade de desaires. Exceptuando a que ainda não, todas as escolhas erraram, todas as geografias falharam, todas idades, tezes e tonalidades – mesmo quando as escolhas não o foram.
E nem mesmo a jusante consigo ser ter sucesso na manutenção de uma relação tranquila e estável com quem deveria ser, se nunca simples, pelo menos mais fácil.
Sei que não sei.
Desde a primeira.
Mas não me conformo com esta espécie de sina e continuo a tentar, a querer saber. Para alcançar este saber, terei antes que chegar ao outro, ao saber de onde me vem esta inaptidão que não me permite acertar.
Desde a primeira.
Ou será por causa da primeira?
Mas essa, quem escolheu não fui eu.

19 março 2013


Aquele olhar duro e severo intimidava-me.
Aquele olhar, que talvez passados todos estes anos eu entenda sem efectivamente compreender, manteve-me distante, receoso de falar, de pensar, de decidir. Até de ser…
Já num tempo para cá do tempo eu que eu deixara de crescer, aquele olhar amoleceu e deixou que a distância encurtasse. Consegui então olhar para aquele olhar de frente e de modo diferente, mais próximo e condescendente, mais respeitoso que autoritário, mais orgulhoso que exigente. Ainda que sempre severo.
Tenho saudades daquele olhar duro e severo; mas não menos daquele olhar por fim carinhoso, quase infantil e assustado com que acabou por se retirar.

18 dezembro 2012

O teu é teu, o meu é nosso.