26 novembro 2008

almoços grátis

Numa recente conversa sobre o assunto (penso que terá sido mesmo durante um almoço... e não me recordo de quem pagou a conta...), discordava sobre a possibilidade da não existência de tais ocorrências, afirmando existirem situações em que os almoços são efectivamente à borla. Numa meditação mais profunda - ou, pelo menos, mais prolongada e solitária, concluo ter que concordar com quem discordava de mim.
Na verdade, a tal que não existe, e corroborando plenamente a minha elaborada e assumidamente discutível teoria sobre o egoísmo, não existe uma acção - uma que seja - que não espere uma reacção, que não tenha como objectivo ulterior a recolha de um qualquer benefício. Mesmo em situações que contenham uma marcada carga habitualmente denominada de altruísta e desinteressada, existe, se não o objectivo consciente, a esperança inconsciente do benefício consequente.

Sim, é verdade: eu espero. De forma totalmente egoísta.
E será esse o dia em que eu sentirei na pele de que me serviu.

1 comentário:

Anna disse...

ah ah ah olha que isto começa a ser cansativo :-)