19 dezembro 2007

palavras simples

Das vezes que despendi mais do que energia para satisfazer necessidades, caprichos, vontades e outras, fi-lo com desinteressado prazer - se é que tal existe: não esperei nada em troca.
Com as minhas despesas, beneficiei particularmente duas pessoas - duas ex-pessoas, para ser mais preciso, que se revelaram pouco merecedoras da tal mais do que energia despendida.
Pelo tempo decorrido e pela longa experiência recolhida, já não deveria constituir novidade a ausência de gestos, os tais que marcam a diferença entre o vazio e a glória resultantes do esforço.
Ainda assim, e ainda que a surpresa tenha há muito deixado de fazer parte dos sentimentos resultantes destas experiências, não consigo deixar de ficar incrédulo perante a forma ligeira como não se usam expressões como "desculpa por te ter deixado ficar mal outra vez", ou "obrigado por me teres resolvido este problema, apesar de há muito não ser problema teu"; pelo contrário, a mensagem transmitida é a de que quem está em falta sou eu.
É por isso que sei agora que não era totalmente desinteressado o prazer do tal esforço: eu queria, de facto, algo em troca.

3 comentários:

SAM disse...

O que é ca gente não faz pra dar umas berlaitadas né?

Cai de Costas disse...

Também, confesso, mas não em primeiro lugar: palavras simples são o mais importante, Sam.

MiSs Detective disse...

a vida é um ciclo de ofertas, qd este se interrompe tudo o resto acaba, começa a guerra!